LAGARTÃO - PÃO DE AÇÚCAR

Lagartão é uma via lendária, uma conquista de 1971, mas até hoje pode ser considerada um grande desafio, inclusive para escaladores experientes. A via é um verdadeiro clássico, onde é preciso escalar em diversos estilos, como fenda, entalamento de corpo, chaminé, artificial, aderência e agarra.

 

Obs: Os detalhes da via e da conquista podem ser lidos no livro Horizontes Verticais, do Jean Pierre, um dos conquistadores da via.   

Para acessar a base é preciso entrar na Pista Claudio Coutinho, no canto esquerdo da Praia Vermelha. A entrada da trilha é discreta e fica praticamente no final da pista. Uma boa referência é uma lata de lixo laranja e um bloco de pedra no canto esquerdo da pista. A entrada fica exatamente passando por cima desse bloco de pedra, subindo através de alguns boulders. Essa trilha segue por alguns blocos de pedra pequenos, uma espécie de leito de rio seco, até chegar próximo da parede do Pão de Açúcar, onde é preciso seguir pela esquerda por um bosque relativamente aberto, na direção do Totem.

 

Obs: Seguindo pela direta fica a base da Alfredo Maciel e caminhando um pouco mais as vias Ás de Espadas e Coringa. Seguindo pela esquerda fica a trilha para o Totem.

A trilha nesse bosque é relativamente bem definida e sobe gradativamente na direção ao Totem, mantendo uma certa proximidade com a parede do Pão de Açúcar. No final dessa trilha é possível identificar a base da Chaminé Gallotti, mas para o Lagartão sobe mais um pouco, através de algumas lajes de pedra até a base das fendas, que é de fácil identificação.

Obs: Seguindo um pouco mais pela esquerda fica a base da Chaminé Stop e da Stopida, que é uma via esportiva muito frequentada.

A via tem 8 enfiadas de corda, mas pode ser dividida em três partes bem distintas. Na primeira parte é onde estão localizadas as fendas, que pode ser feita em duas ou apenas uma enfiada. Caso seja feita em duas enfiadas, será preciso fazer uma parada em móvel no meio, em um platô confortável antes do teto da variante Dança das Cabeças.

A segunda parte é um trecho em artificial fixo, com apenas um lance de artificial móvel no final (somente uma peça média para intermediar). Caso seja feita em livre, essa enfiada tem um grau sugerido em VIIc. 

Já a terceira parte é a escalada pela face do totem, uma escalada técnica em agarras pequenas e aderência, mas também possui alguns lances atléticos. Essa parte lembra muito o estilo das vias Alfredo Maciel e Ás de Espadas, com lances de equilíbrio em agarras pequenasNesse trecho fica o famoso lance da sobrancelha, que pode ser considerado o crux da via, onde toda a sequencia é cotada em VIIa. Na enfiada seguinte tem um lance de VIsup em aresta e outro lance de VI em agarras pequenas, mas depois a via segue alternando lances de V e IV grau até o cume.  

Para voltar basta pegar o bondinho do cume do Pão de Açúcar até o Morro da Urca e depois descer a trilha para a Pista Claudio Coutinho.

Grau de dificuldade: 6 VIIa A1/VIIIc E2 D3 250 metros

Conquistadores: Alex Pereira, George White, Jean Pierre e Luís Penacho Bevilaqua .

Ano da Conquista: 1971

Material sugerido: Um jogo completo de Black Dimoand Camalot do .5 ao 4, repetindo do .75 ao 3., além de um jogo de nuts.

  • Whatsapp
  • telefone
  • Contato Escaladas Clássicas
  • Instagram Social Icon
  • Facebook Social Icon
  • YouTube Social  Icon

Escalada é um esporte de risco, acidentes graves e mortes podem acontecer com escaladores experientes e inexperientes. O conteúdo desse site não garante sua segurança ou o sucesso da escalada. Caso tenha o interesse de iniciar no mundo da escalada procure um instrutor qualificado e capacitado para essa atividade de risco elevado.

© Copyright - Escaladas Clássicas - Todos os direitos reservados